Branding: uma nova religião?

Qual sua conexão com as marcas? Até onde vai a sua fidelidade com elas? Se você já se questionou sobre o poder de pertencimento que as marcas exercem em nossas vidas, então continue lendo esse artigo e entenda melhor como o consumidor se transformou em um devoto e como as marcas se tornaram verdadeiras religiões.

Mario René Schweriner é o autor do livro “Brandscendência: o espírito das marcas” e o termo cunhado por ele é uma junção de duas palavras: brand (marca) e transcendência (ir além). O intuito do livro é ressaltar como o comportamento do consumidor se assemelha à devoção religiosa, já que as relações que temos com as marcas se tornaram verdadeiros ícones representativos daquilo que almejamos ser.

Para entendermos como surgiu essa dimensão espiritual das marcas, é importante voltarmos no tempo para analisar o cenário da Revolução Industrial. Naquela época, a produção em larga escala era acompanhada pela falta de autenticidade e conexão emocional com o consumidor – bem diferente das relações de consumo que presenciamos atualmente. Decerto, muita coisa mudou desde aquele tempo, pois o mercado é extremamente diferente e, seja no âmbito econômico ou social, caminha cada vez mais para construir marcas relevantes e com personalidade, atribuindo, muitas vezes, características humanas que aproximam as pessoas e traçam um sentimento de pertencimento e laço afetivo que garante a fidelidade além da razão.

 

Assim, por exemplo, pode-se dizer que existem marcas “comportadas”, “conservadoras”, “honestas”, “autênticas”, “agressivas”, “arrojadas”, “irreverentes”, “inovadoras”, “seguidoras”, e por aí vai. O sonho de várias empresas e agências de comunicação é o de “antropomorfizar” ao máximo a marca. Em outras palavras, torná-la cada vez mais o mais humana possível, dotada de verdadeiras características de personalidade com as quais os consumidores possam interagir emocionalmente, como parceiras, amigas e companheiras, e até mesmo chegando à paixão pela marca. ( René Schweriner)

 

A maioria das pessoas só se sentem completas quando estão inseridas em um determinado grupo, afinal, desde que nascemos, a sociedade se encarrega disso. Assim, as marcas se apropriam desse entendimento social para conquistar cada vez mais adeptos na “religião do consumo”, bastando uma observação mais crítica para perceber todo esse enredo. Uma vez que, as pessoas buscam incessantemente serem representantes daquilo que as marcas pregam, procurando não apenas um produto ou serviço, mas, inclusive, uma relação transcendente, que siga uma ideologia, estilo de vida, crenças e signos.

A espiritualidade das marcas nada mais é que uma relação cultural que traduz a sociedade atual. A todo tempo somos expostos às propagandas que nos induzem a idolatrar determinadas marcas, acabamos assim, construindo um vínculo emocional tão forte que é capaz de preencher um lugar central em nossas vidas.

Outro fator que contribuiu significantemente para a disseminação espiritual das marcas, foi a fragilização das instituições religiosas. Sobretudo as tradicionais, que vêm perdendo cada vez mais espaço.

 A fragilização do sagrado tradicional abre espaço para que os indivíduos encontrem nas mercadorias e marcas significados espirituais. Então, concomitante (ou devido) ao enfraquecimento das religiões tradicionais, observa-se um crescente papel das mercadorias-signo, invadindo o espaço do significado antes preenchido por tais religiões. ( René Schweriner)

Em suma, é possível, cada vez mais, o entendimento do cenário onde vivemos. Este que o materialismo impera e as experiências de consumo se potencializam e a abundância de mercadorias só alimentam a compulsão em consumir. Afinal, quando conseguimos conquistar aquele tão sonhado objeto de consumo, logo ele se torna obsoleto, dando ensejo a desejos inexplorados e não realizados.

E vocês? Já perceberam como esse conceito está presente em nossas vidas? Faça essa reflexão.